Pular para o conteúdo principal



ETERNA RONDA
Adair de Freitas
Tamanho da fonte
A poeira da estrada, o berro do gado, o grito do homem.
O som do cincerro da égua madrinha,
o ruído do freio mascando na boca,
do flete cansado por léguas de estrada.
É a tropa que passa na frente dos olhos do velho xiru.
Mas ele só vê.

Os outros campeiros proseando na frente do velho galpão,
ao menos entendem porque o velho taura, de olhos perdidos
na estrada real,
mateando solito, a cuia pequena nas mãos enrugadas,
parece que fita no verde do mate, bebendo distâncias
de campos imensos que amou por igual.

Os outros não vêem, mas ele sim, vê!
Contempla extasiado, o azul das lagoas,
que servem de espelho pra lua faceira.
O gado pastando no rumo às aguadas;
o vento brincando nas folhas caídas,
dizendo ao campeiro que a chuva já vem.
Retoço de potros que agitam manadas.
A terra molhada de chuva miúda, que deixa nos ares
um cheiro que entra pra dentro da gente que é terra também.
Mas ele só vê.

Na mente cansada do velho tropeiro, se formam imagens
de um tempo, que o tempo implacável matou.
O tempo! Esse maula proscrito que zomba da vida.
Que vem pisoteando no rastro dos velhos,
e passa por nós no encalço dos novos.
Porém no seu rastro ninguém vai pisar.
Esse maula que muda o perfil das pessoas,
transforma paisagens e nunca se cansa.
Roubou do tropeiro que hoje lhes falo
o entono, a saúde, gastou-lhe a matéria,
matou-lhe a esperança.
E como se tudo o que fez, não bastasse,
tirou dos seus olhos a força de ver.
Porém que ironia! O taura sorri!
O tempo maleva, sequer se deu conta,
que ao velho tropeiro lhe fez um favor.
Seus olhos que viram do alto dos montes
sem fim de horizontes tão puros e iguais,
por certo que iriam chorar a desgraça
de ver só fumaça que chamam progresso.
Que bom que seus olhos já não vêem mais.
Seus olhos que viram os campos brotando
e sangas cantando, acordar madrugadas.
Que bom que não vêem mais nada seus olhos.
Nas sangas, o espólio das grandes barragens,
e as toscas imagens das terras lavradas.

Seus olhos que um dia brilharam de amor,
escravos da flor que é mulher, bem-querer,
não vêem esta imagem que ao tempo se molda
pois muita chinoca, só é porque é moda
e ao menos um mate, nos sabe fazer.
E as tropas enormes, boiada taluda,
cavalos de muda rachando de gordos.
É bom que não veja do tempo o estrago
seus filhos e netos, em cavalos magros,
tropeando o boi lerdo, de um mísero soldo.
E as noites de ronda! Que noites aquelas!
Milhões de janelas abertas pra o mundo.
O brilho do pasto molhado de orvalho,
os olhos do ronda buscando agasalho,
nos olhos do gado de olhar tão profundo.
Por isso que vê-lo tropear pensamentos,
levando nos tentos um mundo que é seu,
eu fico pensando. Se vejo e sou triste,
se é noite em teus olhos, mas vês, o que vistes,
por certo que és bem mais feliz, do que eu!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A LENDA DO PARDAL (FRONTEIRA)

DIZEM QUE O PARDAL NÃO É DAQUI,QUE FOI ASSIS BRASIL QUEM TEVE A PÉSSIMA IDÉIA DE TRAZER ESTE BICHO EXCOMUNGADO DAS EUROPAS.NÃO PRESTA PARA NADA,INCOMODA UMA BARBARIDADE E AINDA CORRE COM O TICO-TICO E O CANARINHO-DA-TERRA DE TUDO QUANTO É CANTO.
É UM BICHO ANTIPÁTICO,QUE NÃO CAMINHA:PARA ANDAR,TEM QUE DAR UNS PULINHOS,COM OS DOIS PÉS JUNTOS,COMO SE ESTIVESSE MANEADO.
E ESTÁ MESMO.FOI CASTIGO DE DEUS.
QUANDO NOSSO SENHOR ESTAVA FAZENDO OS BICHOS PARA SOLTAR NA TERRA,PERGUNTAVA O QUE CADA UM IA FAZER.E DISSE A POMBA:
- EU VOU SER MANSA E TRANQUILA,O SÍMBOLO DA PAZ.
- EU VOU CANTAR PARA A ALEGRIA DOS GAÚCHOS. - DISSE A CALHANDRA.E ASSIM POR DIANTE.
QUANDO CHEGOU A VEZ DO PARDAL,QUE ERA RABUGENTO E ESTAVA BRABO POR SER DOS ÚLTIMOS NA FILA,ELE SE SAIU COM QUATRO PEDRAS NA MÃO:
- EU?POIS EU VOU DAR COICE NO MUNDO E ACABAR COM TODA ESTA PORCARIA,QUE ESTÁ TUDO MUITO MAL FEITO!
- AH,VAI? - DISSE NOSSO SENHOR.POIS ENTÃO EU VOU TE MANEAR,PRA QUE TU NÃO DÊS UM COICE NO MUNDO QUE EU FIZ...
É POR ISSO QUE O…

O REI E O SAPATEIRO

Era uma vez... quando foi
Eu bem ao certo não sei!
Porém sei que era uma vez
Um sapateiro e um rei.

Olha, Helena, o sapateiro
Era um pobre remendão,
Casado e com quatro filhos,
Que vivia quasi sem pão.

No recanto de uma escada
Noite e dia trabalhava,
E por allivio de máguas,
Esta cantiga cantava:

"Ribeiros correm aos rios,
Os rios correm ao mar;
São tudo leis deste mundo
Que ninguém póde atalhar:
Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar!"

O rei tinha montes d'ouro
E joias em profusão,
E tinha mais que ouro e joias,
Pois tinha um bom coração.

Em vendo um pobre, acudia-lhe
Sem que o soubesse ninguem,
Que assim quer Deus que se faça.
E assim o faz tua mãe.

Por muitas vezes saía
Sem criados de libré,
E sósinho e disfarçado
Corria a cidade a pé.

Na rua do sapateiro
Passa o rei e ouve cantar:
"Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar."

Isto uma vez e mais de uma
com voz que o pranto cortava,
E o rei condoeu-se d'alma
Do velho que assim cantava.

Chegado ao palacio ordena
Que lhe arr…

A LENDA DE JAGUARÃO

NOS TEMPOS ANTIGOS,ANTES DA CHEGADA DO HOMEM BRANCO ÀS TERRAS DO SUL,VIVIAM OS CHARRUAS E ÀS VEZES OS MINUANOS JUNTO A UM RIO PAMPA.OS ÍNDIOS PESCAVAM NO RIO,CORTAVAM AS SUAS ÁGUAS COM CANOAS E TIRAVAM DE SEUS REMANSOS A ÁGUA PARA O DIA-DIA DA TRIBO.
UM DIA,PORÉM,AQUERENCIOU-SE NUMA DAS "PANELAS" DO RIO,JUNTO ÀS BARRANCAS,UM ESTRANHO SER,UM MONSTRO QUE PARECIA UM PEIXE-CACHORRO,COM GARRAS DE TIGRE,PRETO E VISGUENTO.E COISA ESTRANHA:SÓ COMIA OS BOFES DOS VIVENTES FOSSE BICHO OU GENTE MESMO.
E COMO FAZIA? SIMPLESMENTE ELE CAVOUCAVA POR BAIXO DÁGUA A BARRANCA DO RIO,FAZENDO UMA GRANDE CAVERNA E ALI SE ANINHAVA, A ESPERA.SE UMA PESSOA OU BICHO GRANDE CHEGASSE EM CIMA DA BARRANCA,ESTA DESABAVA E O MONSTRO ARRASTAVA PARA O FUNDO DAS ÁGUAS QUEM SE AFOGAVA,COMENDO-LHE OS BOFES,SIMPLESMENTE.
ACONTECE QUE OS CADÁVERES COMEÇARAM A APARECER RIO ABAIXO,SEM OS PULMÕES E OS ÍNDIOS COMEÇARAM A DAR CAÇA AO MONSTRO,SEM GRANDES RESULTADOS,ALIÁS.EM GUARANI,QUE ERA A LÍNGUA MAIS FALADA …