Seguidores

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Osterbaum — ou “Árvore da Páscoa”



Tradição entre os alemães, o Osterbaum — ou “Árvore da Páscoa” — tem sua continuidade na Alemanha de hoje e foi levada a outros países pelos imigrantes, entre eles os que vieram para o Brasil.
A árvore é montada com um galho seco, que simboliza a frieza e morte do sepulcro de Jesus Cristo e enfeitada com ovos e flores, que simbolizam o renascer e a vida.
Levar a tradição alemã para dentro de casa é muito simples. Basta um galho seco, flores artificiais, dessas compradas em lojas de R$ 1,99, cascas de ovos de galinha, tinta e verniz.
No galho, são colocadas as cascas de ovos coloridas. O ovo significa ou simboliza que há vida dentro dele e dali ela brota, apesar de estar escondida até o momento em que a ruptura acontece.
Para preparar os ovos, o processo é simples: reserve cascas de ovos, que devem ter apenas um furo pequeno, pelo qual se retirou o ovo. Lave-as e deixe-as secar de cabeça (furo) para baixo.
Pinte as cascas com tinta plástica ou tinta de papel crepom. Também é possível desenhar e pintar símbolos religiosos ou motivos para as crianças. 
Recorte tiras finas e também pequenos círculos de papel branco; tape o furo colando por cima os círculos e, das tiras, faça alças que também serão coladas na parte superior dos ovos. Também pode envernizar os ovos depois de pintados.
Na Sexta-Feira Santa, coloque em um vaso um galho totalmente seco, sem nenhuma folha, deixando-o exposto em local visível na casa e, finalmente, no Domingo de Páscoa, ao levantar, ornamente-o pendurando os ovos. O Osterbaum pode ser retirado a partir do segundo Domingo após a Páscoa.
Aproveitando a ideia de utilizar ovos de galinha para decorar a casa, outra ideia é aproveitar as cascas para colocar plantas, ou mesmo guloseimas, como amendoins confeitados, pela casa. Fica bonito, criativo, e o melhor, a custo quase zero.


  • Raquel Santana


quarta-feira, 5 de abril de 2017

O vestido azul

Num bairro pobre de uma cidade distante, morava uma garotinha muito bonita. Ela freqüentava a escola local. Sua mãe não tinha muito cuidado e a criança quase sempre se apresentava suja. Suas roupas eram muito velhas e maltratadas. 

O professor ficou penalizado com a situação da menina. "como é que uma menina tão bonita, pode vir para a escola tão mal arrumada?" 

Separou algum dinheiro do seu salário e, embora com dificuldade, resolveu lhe comprar um vestido novo. Ela ficou linda no vestido azul. 

Quando a mãe viu a filha naquele lindo vestido azul, sentiu que era lamentável que sua filha, vestindo aquele traje novo, fosse tão suja para a escola. Por isso, passou a lhe dar banho todos os dias, pentear seus cabelos, cortar suas unhas. 

Quando acabou a semana, o pai falou: "mulher, você não acha uma vergonha que nossa filha, sendo tão bonita e bem arrumada, more em um lugar como este, caindo aos pedaços? 

Que tal você ajeitar a casa? Nas horas vagas, eu vou dar uma pintura nas paredes, consertar a cerca e plantar um jardim." 

Logo mais, a casa se destacava na pequena vila pela beleza das flores que enchiam o jardim, e o cuidado em todos os detalhes. 

Os vizinhos ficaram envergonhados por morar em barracos feios e resolveram também arrumar as suas casas, plantar flores, usar pintura e criatividade. 

Em pouco tempo, o bairro todo estava transformado. Um religioso, que acompanhava os esforços e as lutas daquela gente, pensou que eles bem mereciam um auxílio das autoridades. 

Foi ao prefeito expor suas idéias e saiu de lá com autorização para formar uma comissão para estudar os melhoramentos que seriam necessários ao bairro. 

A rua de barro e lama foi substituída por asfalto e calçadas de pedra. Os esgotos a céu aberto foram canalizados e o bairro ganhou ares de cidadania. 

E tudo começou com um vestido azul. Não era intenção daquele professor consertar toda a rua, nem criar um organismo que socorresse o bairro. 

Ele fez o que podia, deu a sua parte. Fez o primeiro movimento que acabou fazendo que outras pessoas se motivassem a lutar por melhorias. 

Será que cada um de nós está fazendo a sua parte no lugar em que vive? 

Por acaso somos daqueles que somente apontamos os buracos da rua, as crianças à solta sem escola e a violência do trânsito? 

Se somos, sigamos o exemplo do professor e lembremos que é difícil mudar o estado total das coisas. Que é difícil limpar toda a rua, mas é fácil varrer a nossa calçada. 

É difícil reconstruir um bairro mas é possível dar um vestido azul. 

*** 

Podemos fazer mais em favor da humanidade se nos dispusermos a isto. 

Estendamos a mão para alguém caído. Digamos uma palavra gentil para alguém. 

Presenteemos um amigo com uma flor. Façamos sorrir alguém triste. Abracemos com ternura um desafortunado. 

Há moedas de amor que valem mais do que os tesouros bancários, quando endereçadas no momento próprio e com bondade. 

Ninguém dispensa um amigo, nem um gesto de socorro. 

Disputemos a honra de ser construtores do mundo melhor e de uma sociedade mais feliz.
fonte: Livro Vida Feliz nº LXXX

terça-feira, 4 de abril de 2017

LER



As tecnologias do mundo moderno fizeram com que as pessoas deixassem a leitura de livros de lado, isso resultou em jovens cada vez mais desinteressados pelos livros, possuindo vocabulários cada vez mais pobres.

A leitura é algo crucial para a aprendizagem do ser humano, pois é através dela que podemos enriquecer nosso vocabulário, obter conhecimento, dinamizar o raciocínio e a interpretação. Muitas pessoas dizem não ter paciência para ler um livro, no entanto isso acontece por falta de hábito, pois se a leitura fosse um hábito rotineiro as pessoas saberiam apreciar uma boa obra literária, por exemplo.

Muitas coisas que aprendemos na escola são esquecidas com o tempo, pois não as praticamos, através da leitura rotineira tais conhecimentos se fixariam de forma a não serem esquecidos posteriormente. Dúvidas que temos ao escrever poderiam ser sanadas pelo hábito de ler, talvez nem as teríamos, pois a leitura torna nosso conhecimento mais amplo e diversificado.

Durante a leitura descobrimos um mundo novo, cheio de coisas desconhecidas.
O hábito de ler deve ser estimulado na infância, para que o indivíduo aprenda desde pequeno que ler é algo importante e prazeroso, assim com certeza ele será um adulto culto, dinâmico e perspicaz. Saber ler e compreender o que os outros dizem nos difere dos animais irracionais, pois comer, beber e dormir até eles sabem, é a leitura que proporciona a capacidade de interpretação.
Toda escola, particular ou pública, deve fornecer uma educação de qualidade incentivando a leitura, pois dessa forma a população se torna mais informada e crítica.
Fonte(s):Por Eliene Percilia
Equipe Brasil Escola

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Um olho no peixe e o outro no gato

Tô sempre ligado, eu acho.
Vivo com um olho no peixe e o outro no gato.

Só que esses versos não levariam este título, se você não o tivesse mencionado.
E se foi apenas um ditado, jogado.
Desculpe-me, levei para o sentido literário.

Até já fiz este poema, rimado.
Afinal, na minha imaginação alguém poderia ser um animal.
Não importa quem fosse o peixe ou gato.

Por isso, fiquei completamente atento a cada verso e seu significado
Fosse ele metafórico, irônico ou debochado.
Poderiam ter sido ambos, é fato.

Então tento o desembaraço
Arriscando para não ficar ainda mais atrapalhado
Escrevendo novos versos, tentando descosturá-los.

E se eu perceber que o gato está prestes a abocanhar o peixe, eu paro.
(claro, no sentido literal!)
Quero os dois vivos pros versos sempre ficarem inacabados.

O Laço e o Abraço, texto de Mário Quintana

Meu Deus! Como é engraçado! Eu nunca tinha reparado como é curioso um laço... uma fita dando voltas.Enrosca-se, mas não se embola, vira, revira, circula e pronto: está dado o laço. É assim que é o abraço: coração com coração, tudo isso cercado de braços. É assim que é o laço: um abraço no presente, no cabelo, no vestido, em qualquer coisa onde o faço. E quando puxo uma ponta, o que é que acontece? Vai escorregando... devagarzinho, desmancha, desfaz o abraço. Solta o presente, o cabelo, fica solto no vestido. E, na fita, que curioso, não faltou nem um pedaço. Ah! Então é assim o amor, a amizade. Tudo que é sentimento. Como um pedaço de fita. Enrosca, segura um pouquinho, mas pode se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço. Por isso é que se diz: laço afetivo, laço de amizade. E quando alguém briga, então se diz: romperam-se os laços. E saem as duas partes, igual meus pedaços de fita, sem perder nenhum pedaço. Então o amor e a amizade são isso... Não prendem, não escravizam, não apertam, não sufocam.Porque quando vira nó, já deixou de se um laço!

domingo, 2 de abril de 2017

2 de abril como o Dia Mundial de Conscientização do Autismo.


Ivete Sangalo, Monica De San Galo - Completo

Anjo da guarda - Tribalistas

Escureceu, o sol baixou
Anjo da guarda cantarolou
Nana neném
Nana neném
Cacheadinho, anjinho é
De manhã sob o sol
Cada gota de orvalho
A secar, é suor
É suor de trabalho
Nana, neném
Nana, neném
Nana, neném
O estudante, o trabalhador
Sente deixar o cobertor
Pega a marmita
Ronca o motor
Leva a beleza
Que a vida é
De manhã sai da cama
Havaiana no pé
Apostila na mochila
Vira logo o café
Nana, neném
Nana, neném
Nana, neném