Pular para o conteúdo principal

PEÑAROL - COMPOSIÇÃO: MAURO FERREIRA / LUIZ CARLOS BORGES

Quem é de Lavras se lembra do meu galgo Peñarol

Baio, brasino, bragado, olhos gateados de sol

Quando meu galgo arrancava com o lombo que era um anzol

Bicho que fizesse rastro saía do campo vasto

Pro dente do Peñarol

Me regalou Gim Pinheiro de lá de Tacuarembó

Era um filhote franzino, magrinho que dava dó

Quem ia dizer que aquilo fosse empurrar mocotó

Ganhar dezoito carreiras e os galgos desta fronteira

Entupir os olhos de pó

Lebrinha de pêlo fino, sorrito do pêlo grosso

Depois de ele botar o olho não tinha muito retoço

Cruzava dos outros galgos que nem dos cachorros "grosso"

Quadrava o corpo pra o lado, cortava de atravessado

E grudava atrás do pescoço

Um dia o Cássio Bonotto, proseando e tomando um trago

Me contou de um sorro baio que havia lá por Santiago

Corria mais que os cachorros, vivia fazendo estrago

De tanto comer cordeiro já nem botavam carneiro

Nas ovelhas deste pago

Eu disse pra este amigo: mês que vem vou na tua casa

Me espera com uma de vinho e um chibo em cima da brasa

O Peñarol vai na piola porque ele não perde vaza

Te garanto que o tal sorro pra escapar do meu cachorro

Só que entoque ou crie asa

Cheguei no dia marcado, tinha gente até de farda

Nunca vi tanto gaúcho, nunca vi tanta espingarda

Diziam: o sorro é bruxo cruzado com onça parda

Eu disse: deixem comigo! Quem tem medo do perigo

Que espere na retaguarda

Quando batemos no rastro vi que o bicho era escolado

Fez que ia pra coxilha e respingou rumo ao banhado

Meteu o dente num galgo, depois cruzou no costado

Com a cuscada na escolta gambeteava e dava volta

Parecia enfeitiçado

Eu dei cancha pro galgo que saiu erguendo pó

Porque no fim do banhado era um capão de timbó

Tinha que alcançar o maleva antes deste cafundó

E eu também larguei com tudo num lobuno topetudo

Que era marca da Itaó

De fato o sorro corria como pouco sorro faz

Mas peão só se governa onde não tem capataz

Em seguida meu cachorro fez ele virar pra trás

E desceram sanga abaixo, "cosa" de macho com macho

Trançando dente no más

Foi quando eu ouvi um tiro vindo de lá do sangão

Estouro de arma de chumbo de um louco sem precaução

Apeei por cima do toso pra dar fé da situação

Meu galgo tava sangrando mas continuava peleando

Baleado no coração

Agarrou o sorro "das goélas" e apertou contra o capim

Pra dar fim naquela lida antes da vida ter fim

Depois "periga" a verdade, mas juro que foi assim

Deitou por cima do sorro, gruniu pedindo socorro

E morreu olhando pra mim

Enterrei ele no campo florido de maria mol

Se foi meu galgo bragado do lombo que era um anzol

Lembro dele com tristeza quando sangra o pô-do-sol

O causo vem pra memória e a saudade conta a história

Do meu galgo Peñarol

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A LENDA DO PARDAL (FRONTEIRA)

DIZEM QUE O PARDAL NÃO É DAQUI,QUE FOI ASSIS BRASIL QUEM TEVE A PÉSSIMA IDÉIA DE TRAZER ESTE BICHO EXCOMUNGADO DAS EUROPAS.NÃO PRESTA PARA NADA,INCOMODA UMA BARBARIDADE E AINDA CORRE COM O TICO-TICO E O CANARINHO-DA-TERRA DE TUDO QUANTO É CANTO.
É UM BICHO ANTIPÁTICO,QUE NÃO CAMINHA:PARA ANDAR,TEM QUE DAR UNS PULINHOS,COM OS DOIS PÉS JUNTOS,COMO SE ESTIVESSE MANEADO.
E ESTÁ MESMO.FOI CASTIGO DE DEUS.
QUANDO NOSSO SENHOR ESTAVA FAZENDO OS BICHOS PARA SOLTAR NA TERRA,PERGUNTAVA O QUE CADA UM IA FAZER.E DISSE A POMBA:
- EU VOU SER MANSA E TRANQUILA,O SÍMBOLO DA PAZ.
- EU VOU CANTAR PARA A ALEGRIA DOS GAÚCHOS. - DISSE A CALHANDRA.E ASSIM POR DIANTE.
QUANDO CHEGOU A VEZ DO PARDAL,QUE ERA RABUGENTO E ESTAVA BRABO POR SER DOS ÚLTIMOS NA FILA,ELE SE SAIU COM QUATRO PEDRAS NA MÃO:
- EU?POIS EU VOU DAR COICE NO MUNDO E ACABAR COM TODA ESTA PORCARIA,QUE ESTÁ TUDO MUITO MAL FEITO!
- AH,VAI? - DISSE NOSSO SENHOR.POIS ENTÃO EU VOU TE MANEAR,PRA QUE TU NÃO DÊS UM COICE NO MUNDO QUE EU FIZ...
É POR ISSO QUE O…

O REI E O SAPATEIRO

Era uma vez... quando foi
Eu bem ao certo não sei!
Porém sei que era uma vez
Um sapateiro e um rei.

Olha, Helena, o sapateiro
Era um pobre remendão,
Casado e com quatro filhos,
Que vivia quasi sem pão.

No recanto de uma escada
Noite e dia trabalhava,
E por allivio de máguas,
Esta cantiga cantava:

"Ribeiros correm aos rios,
Os rios correm ao mar;
São tudo leis deste mundo
Que ninguém póde atalhar:
Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar!"

O rei tinha montes d'ouro
E joias em profusão,
E tinha mais que ouro e joias,
Pois tinha um bom coração.

Em vendo um pobre, acudia-lhe
Sem que o soubesse ninguem,
Que assim quer Deus que se faça.
E assim o faz tua mãe.

Por muitas vezes saía
Sem criados de libré,
E sósinho e disfarçado
Corria a cidade a pé.

Na rua do sapateiro
Passa o rei e ouve cantar:
"Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar."

Isto uma vez e mais de uma
com voz que o pranto cortava,
E o rei condoeu-se d'alma
Do velho que assim cantava.

Chegado ao palacio ordena
Que lhe arr…

A LENDA DE JAGUARÃO

NOS TEMPOS ANTIGOS,ANTES DA CHEGADA DO HOMEM BRANCO ÀS TERRAS DO SUL,VIVIAM OS CHARRUAS E ÀS VEZES OS MINUANOS JUNTO A UM RIO PAMPA.OS ÍNDIOS PESCAVAM NO RIO,CORTAVAM AS SUAS ÁGUAS COM CANOAS E TIRAVAM DE SEUS REMANSOS A ÁGUA PARA O DIA-DIA DA TRIBO.
UM DIA,PORÉM,AQUERENCIOU-SE NUMA DAS "PANELAS" DO RIO,JUNTO ÀS BARRANCAS,UM ESTRANHO SER,UM MONSTRO QUE PARECIA UM PEIXE-CACHORRO,COM GARRAS DE TIGRE,PRETO E VISGUENTO.E COISA ESTRANHA:SÓ COMIA OS BOFES DOS VIVENTES FOSSE BICHO OU GENTE MESMO.
E COMO FAZIA? SIMPLESMENTE ELE CAVOUCAVA POR BAIXO DÁGUA A BARRANCA DO RIO,FAZENDO UMA GRANDE CAVERNA E ALI SE ANINHAVA, A ESPERA.SE UMA PESSOA OU BICHO GRANDE CHEGASSE EM CIMA DA BARRANCA,ESTA DESABAVA E O MONSTRO ARRASTAVA PARA O FUNDO DAS ÁGUAS QUEM SE AFOGAVA,COMENDO-LHE OS BOFES,SIMPLESMENTE.
ACONTECE QUE OS CADÁVERES COMEÇARAM A APARECER RIO ABAIXO,SEM OS PULMÕES E OS ÍNDIOS COMEÇARAM A DAR CAÇA AO MONSTRO,SEM GRANDES RESULTADOS,ALIÁS.EM GUARANI,QUE ERA A LÍNGUA MAIS FALADA …