terça-feira, 11 de dezembro de 2012

OS TRÊS DESEJOS

EM UMA NOITE MUITO FRIA, UM SENHOR E UMA SENHORA, CASADOS, SENTARAM-SE DIANTE DE SEU FOGÃO A LENHA. FICARAM EM SILÊNCIO, COMO SEMPRE. JÁ NÃO CONVERSAVAM MAIS. DEPOIS DE TANTO TEMPO VIVENDO LADO A LADO, NÃO TINHAM MAIS O QUE FALAR. UM SABIA TUDO DA VIDA DO OUTRO E NUNCA SAÍAM DE CASA. DURANTE O DIA, CUIDAVAM DE SUA ROCINHA DE FEIJÃO, DE UMA VACA MAGRA E DE ALGUMAS POUCAS GALINHAS.
NO MÁXIMO, ELE DIZIA:
- A CARIJÓ BOTOU OVOS.
- É...É...É... - RESPONDIA A ESPOSA.
OU O SENHOR FALAVA:
- A VACA DEU MENOS LEITE.
- É...É...É... - REPETIA ELA.
CADA UM ESTICAVA AS MÃOS CALEJADAS PARA SE AQUECER NO FOGO.
COCHILAVAM. NÃO SE MEXIAM MUITO DEVIDO AO FRIO. AS TÁBUAS DAS PAREDES DA CABANA TINHAM MUITAS FRESTAS POR ONDE O VENTO ENTRAVA.
SÓ CONSEGUIAM SE AQUECER SENTADOS DIANTE DO FOGÃO.
O TEMPO PASSOU. AS ACHAS DE LENHA TRANSFORMARAM-SE EM BRASAS.
NÃO HAVIAM JANTADO. O SENHOR OLHOU, DESCONSOLADO, O ARMÁRIO VAZIO DA COZINHA. NÃO RESTAVA UM OVO, NEM UM POUCO DE FEIJÃO OU UMA JARRA DE LEITE. A SENHORA OBSERVOU SUA EXPRESSÃO.
TAMBÉM ESTAVA COM FOME. O ESTÔMAGO VAZIO LHE DEIXOU COM VONTADE DE FALAR.
- AH, COMO EU QUERIA TER UM BOM PEDAÇO DE LINGUIÇA DE PORCO ASSANDO NESSE FOGO!
JUSTAMENTE NESSE INSTANTE, UM ANJO VOAVA SOBRE A CABANA.
OUVIU O LAMENTO DA SENHORA E DISSE SIMPLESMENTE:
- AMÉM.
QUANDO UM ANJO DIZ "AMÉM", O DESEJO SE REALIZA.
UM PEDAÇO ENORME DE LINGUIÇA DE PORCO CAIU SOBRE AS BRASAS. ERA SUCULENTA, BEM GORDA. ASSANDO NO FOGO, ESPALHOU UM CHEIRO DELICIOSO PELO AR. AMBOS SALIVARAM. ESPERAVAM A LINGUIÇA FICAR PRONTA PARA COMER, COMO HAVIA MUITO NÃO FAZIAM.
- MEU PEDIDO FOI SATISFEITO! - EXCLAMOU A SENHORA, MUITO FELIZ.
COM OS OLHOS BRILHANDO DE AMBIÇÃO, O MARIDO RESPONDEU:
- ORA, POR QUE NÃO APROVEITOU PARA PEDIR DINHEIRO?! PODIA TER SIDO MAIS INTELIGENTE!
E CONTINUOU RESMUNGANDO, BRAVO:
- VOCÊ QUIS SÓ UM PEDAÇO DE LINGUIÇA! BEM SE VÊ QUE NÃO TEM AMBIÇÃO. NASCEU PARA SER POBRE. DEVIA TER PEDIDO DINHEIRO, OURO EM QUANTIDADE, MUITAS RIQUEZAS!
SURPRESA, ELA RESPONDEU:
- COMO PODIA ADIVINHAR QUE O DESEJO SERIA SATISFEITO?
O SENHOR GRITOU:
-VOCÊ VAI TER O QUE MERECE! DESEJO QUE A LINGUIÇA PULE DESSAS BRASAS E FIQUE PENDURADA NO SEU NARIZ!
A SURPRESA FOI MAIOR AINDA. A LINGUIÇA RETORCEU-SE SOBRE AS BRASAS, SALTOU E GRUDOU NO NARIZ DA SENHORA!
- AIIIII! - GRITOU ELA.
ELA TENTOU PUXAR A LINGUIÇA. NÃO SAIU. O MARIDO QUIS AJUDÁ-LA, MAS A LINGUIÇA ESTAVA GRUDADA PARA SEMPRE. A SENHORA GRITAVA SEM PARAR:
- AI, TIRE ESSA LINGUIÇA DO MEU NARIZ! TIRE!
DESESPERADA, COMEÇOU A GRITAR:
- EU DESEJO QUE ESSA LINGUIÇA...
- NÃO! - ROSNOU O MARIDO.
TAPOU A BOCA DA MULHER COM A MÃO.
- DESEJOS SÓ ACONTECEM DE TRÊS EM TRÊS. SE VOCÊ FIZER UM NOVO PEDIDO, NÃO TEREMOS DIREITO DE SATISFAZER MAIS NENHUM DESEJO.
- O QUÊ?! - SURPREENDEU-SE A ESPOSA.
- É O QUE SEI - DISSE ELE. - QUANDO UM ANJO NOS CONCEDE DESEJOS, NÃO PODEM SER MAIS DE TRÊS. VAMOS PEDIR RIQUEZAS!
O MARIDO SORRIU, ABRAÇANDO A ESPOSA, MAS SEM DEIXAR DE TAPAR A SUA BOCA.
- AH, QUERIDA... QUE MAL TER UMA LINGUIÇA PENDURADA NO NARIZ?
- VOCÊ DIZ ISSO PORQUE NÃO É O SEU NARIZ, MAS O MEU... - GEMEU A MULHER.
- VAMOS PEDIR UM SÍTIO BEM GRANDE, COM UMA CASA ENORME?
- NÃO.
O VELHO CONTINUOU TENTANDO CONVENCÊ-LA:
- UM BAÚ DE MOEDAS DE OURO?
- NÃO... - GEMIA A SENHORA, FALANDO POR ENTRE OS DEDOS DO HOMEM.
- QUEM SABE UMA CASA NA CIDADE, COM UM COMÉRCIO EM FRENTE?
ASSIM QUE O MARIDO SE DISTRAIU E AFROUXOU A MÃO, ELA APROVEITOU PARA GRITAR:
- DESEJO QUE ESSA LINGUIÇA SAIA DO MEU NARIZ!
A LINGUIÇA CAIU NOVAMENTE SOBRE AS BRASAS. O ANJO PARTIU, COM A CONVICÇÃO DE QUE OS SERES HUMANOS SÃO MUITO CONFUSOS EM SEUS DESEJOS.
A SENHORA CONTINUOU COM O NARIZ NORMAL.
OS DOIS PROSSEGUIRAM, NOITE APÓS NOITE, SENTADOS OLHANDO O FOGO, SEM ASSUNTO PARA CONVERSAR E PENSANDO EM TUDO O QUE PODERIAM TER PEDIDO, INCONFORMADOS POR TEREM PERDIDO A MELHOR CHANCE DE SUA VIDA!



LENDAS E FÁBULAS DO FOLCLORE BRASILEIRO
RECONTADOS POR: WALCYR CARRASCO

Nenhum comentário:

Postar um comentário