Pular para o conteúdo principal

AFINIDADE ...( ARTHUR DA TÁVOLA )


A afinidade não é o mais brilhante, mas o mais sutil,
delicado e penetrante dos sentimentos.
É o mais independente.

Não importa o tempo, a ausência, os adiamentos,
as distâncias, as impossibilidades.
Quando há afinidade,
qualquer reencontro retoma a relação,
o diálogo, a conversa,
o afeto no exato ponto em que foi interrompido

Afinidade é não haver tempo mediando a vida.
É uma vitória do adivinhado sobre o real.
Do subjetivo para o objetivo.
Do permanente sobre o passageiro.
Do básico sobre o superficial.

Ter afinidade é muito raro.
Mas quando existe
não precisa de códigos verbais para se manifestar.
Existia antes do conhecimento,
irradia durante e permanece
depois que as pessoas deixaram de estar juntas.
O que você tem dificuldade de expressar a um não afim,
sai simples e claro diante de alguém com quem você tem afinidade.

Afinidade é ficar longe pensando parecido
a respeito dos mesmos fatos que impressionam,
comovem ou mobilizam.
É ficar conversando sem trocar palavras.
É receber o que vem do outro com aceitação anterior ao entendimento.

Afinidade é sentir com, nem sentir contra,
nem sentir para, nem sentir por, nem sentir pelo.
Quanta gente ama loucamente,
mas sente contra o ser amado.
Quantos amam e sentem para o ser amado,
não para eles próprios.

Sentir com é não ter necessidade de explicar
o que está sentindo.
É olhar e perceber.
É mais calar do que falar, ou, quando é falar,
jamais explicar: apenas afirmar.

Afinidade é jamais sentir por.
Quem sente por, confunde afinidade com masoquismo.
Mas quem sente com, avalia sem se contaminar.
Compreende sem ocupar o lugar do outro.
Aceita para poder questionar.
Quem não tem afinidade, questiona por não aceitar.

Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças.
É conversar no silêncio, tanto nas possibilidades exercidas
quanto das impossibilidade vividas.

Afinidade é retomar a relação no ponto em que parou
sem lamentar o tempo de separação.
Porque tempo e separação nunca existiram.
Foram apenas oportunidades dadas (tiradas) pela vida,
para que a maturação comum pudesse se dar.
E para que cada pessoa pudesse e possa ser,
cada vez mais a expressão do outro
sob a forma ampliada do eu individual aprimorado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A LENDA DO PARDAL (FRONTEIRA)

DIZEM QUE O PARDAL NÃO É DAQUI,QUE FOI ASSIS BRASIL QUEM TEVE A PÉSSIMA IDÉIA DE TRAZER ESTE BICHO EXCOMUNGADO DAS EUROPAS.NÃO PRESTA PARA NADA,INCOMODA UMA BARBARIDADE E AINDA CORRE COM O TICO-TICO E O CANARINHO-DA-TERRA DE TUDO QUANTO É CANTO.
É UM BICHO ANTIPÁTICO,QUE NÃO CAMINHA:PARA ANDAR,TEM QUE DAR UNS PULINHOS,COM OS DOIS PÉS JUNTOS,COMO SE ESTIVESSE MANEADO.
E ESTÁ MESMO.FOI CASTIGO DE DEUS.
QUANDO NOSSO SENHOR ESTAVA FAZENDO OS BICHOS PARA SOLTAR NA TERRA,PERGUNTAVA O QUE CADA UM IA FAZER.E DISSE A POMBA:
- EU VOU SER MANSA E TRANQUILA,O SÍMBOLO DA PAZ.
- EU VOU CANTAR PARA A ALEGRIA DOS GAÚCHOS. - DISSE A CALHANDRA.E ASSIM POR DIANTE.
QUANDO CHEGOU A VEZ DO PARDAL,QUE ERA RABUGENTO E ESTAVA BRABO POR SER DOS ÚLTIMOS NA FILA,ELE SE SAIU COM QUATRO PEDRAS NA MÃO:
- EU?POIS EU VOU DAR COICE NO MUNDO E ACABAR COM TODA ESTA PORCARIA,QUE ESTÁ TUDO MUITO MAL FEITO!
- AH,VAI? - DISSE NOSSO SENHOR.POIS ENTÃO EU VOU TE MANEAR,PRA QUE TU NÃO DÊS UM COICE NO MUNDO QUE EU FIZ...
É POR ISSO QUE O…

A LENDA DE JAGUARÃO

NOS TEMPOS ANTIGOS,ANTES DA CHEGADA DO HOMEM BRANCO ÀS TERRAS DO SUL,VIVIAM OS CHARRUAS E ÀS VEZES OS MINUANOS JUNTO A UM RIO PAMPA.OS ÍNDIOS PESCAVAM NO RIO,CORTAVAM AS SUAS ÁGUAS COM CANOAS E TIRAVAM DE SEUS REMANSOS A ÁGUA PARA O DIA-DIA DA TRIBO.
UM DIA,PORÉM,AQUERENCIOU-SE NUMA DAS "PANELAS" DO RIO,JUNTO ÀS BARRANCAS,UM ESTRANHO SER,UM MONSTRO QUE PARECIA UM PEIXE-CACHORRO,COM GARRAS DE TIGRE,PRETO E VISGUENTO.E COISA ESTRANHA:SÓ COMIA OS BOFES DOS VIVENTES FOSSE BICHO OU GENTE MESMO.
E COMO FAZIA? SIMPLESMENTE ELE CAVOUCAVA POR BAIXO DÁGUA A BARRANCA DO RIO,FAZENDO UMA GRANDE CAVERNA E ALI SE ANINHAVA, A ESPERA.SE UMA PESSOA OU BICHO GRANDE CHEGASSE EM CIMA DA BARRANCA,ESTA DESABAVA E O MONSTRO ARRASTAVA PARA O FUNDO DAS ÁGUAS QUEM SE AFOGAVA,COMENDO-LHE OS BOFES,SIMPLESMENTE.
ACONTECE QUE OS CADÁVERES COMEÇARAM A APARECER RIO ABAIXO,SEM OS PULMÕES E OS ÍNDIOS COMEÇARAM A DAR CAÇA AO MONSTRO,SEM GRANDES RESULTADOS,ALIÁS.EM GUARANI,QUE ERA A LÍNGUA MAIS FALADA …

Chapéu Violeta - Por Erma Bombeck

Aos 3 anos ela olha pra si mesma, e vê uma rainha. Aos 8 anos ela olha pra si mesma, e vê Cinderela. Aos 15 anos ela olha pra si mesma, vê uma bruxa e diz: - "Mãe, eu não posso ir pra escola desse jeito!" Aos 20 anos ela olha pra si mesma, e se vê: "muito gorda/muito magra, muito alta/muito baixa, com cabelo muito liso/muito encaracolado", mas decide que vai sair assim mesmo... Aos 25 anos ela olha pra si mesma e se vê: "muito gorda/muito magra, muito alta/muito baixa, com cabelo muito liso/muito encaracolado", mas decide que agora não há tempo para consertar essas coisas. Então, sai assim mesmo... Aos 30 anos ela olha pra si mesma e se vê:"muito gorda/muito magra, muito alta/muito baixa, com cabelo muito liso/muito encaracolado", mas diz: "sou uma boa pessoa" e sai mesmo assim... Aos 35 anos ela olha pra si mesma e se vê como é. Sai e vai para onde ela bem entender... Aos 40 anos ela olha pra si mesma e se lembra de todas pessoas que não pod…