Pular para o conteúdo principal

Da costura e do corte


Juntou que fiz aniversário e, no mesmo dia, comecei um curso de corte e costura. Era parte dos desejos antigos e explicáveis: minha mãe costurava. Cresci em meio às linhas, agulhas, tesouras, fitas métricas.
Quando eu era pequena, sempre ganhava cortes de tecido de presente, geralmente das tias. Que viravam, pelas mãos da minha mãe, vestidos e blusas.
Inventei de perpetuar a tradição e, aos dezesseis, confeccionei para mim um macacão de popeline lilás, sob suas pacientes instruções. Foi a única peça que costuramos juntas – insuficiente para que eu absorvesse seu saber, o bastante para despertar a fome de pano.
Já sem ela, na faculdade, arriscava e abastecia meu guarda-roupa através do maquinário herdado. O corte e a costura tomaram ares de adivinhação, tentativa, erro, sorte. Funcionava. Faltava-me, porém, a técnica materna.
Ninguém mais me dá cortes de tecido. Acho que é porque nem tenho mais tantas tias. Ou então, porque minha mãe não pode mais fazer minhas roupas. As coisas todas têm suas razões.
Vasculhei os armários em busca de retalhos para a primeira aula. Encontrei uma panaiada tão antiga quanto o desejo de costurar direito. Cortes e retalhos do passado, gentilmente poupados pelas traças.
Foram todos comigo para a aula. Dentre eles, um, velhíssimo, intacto em sua abstrata estampa de cores, ainda tão cheias de vida. Presente de quem, afinal? Para mim ou para minha irmã, que também costumava ganhar os seus? Como surgira no acervo têxtil da família, e como resistira a tantas mudanças de endereço? Eu bem que já tentara várias vezes, fazer algo dele. Sua personalidade, no entanto, sempre trouxera dúvidas sobre o que poderia vir a ser – blusa? Saia? Echarpe? Talvez nem ele soubesse direito o que queria ser. Cogitei, há algum tempo, usá-lo para outro fim – pensando na hipótese dele, de fato, não ter nascido para vestir ninguém. Era tecido arrogante, eu duvidava que fosse se dar bem com outros panos num mesmo traje. Como um animal de estimação ciumento, que não autoriza seu dono a ter mais ninguém. Deu nisso: ele sempre retornou ao fundo do armário, que é para onde vão as coisas da categoria “depois-se-vê”.
Professora bateu os olhos nele e vi ali certa surpresa. “É seda javanesa, não se faz mais dessas!”. Explicado estava, ele não era um tecido qualquer e sabia disso. E não era ele, era “ela”. Naquela hora, no turbilhão sereno das lembranças, vi as tias falando “javanesa”. Jamais havia associado: javanesa é gentílica de Java. Java fica na Indonésia. A gente vive falando coisas sem prestar atenção às origens, aos significados. Por que a camiseta é regata? E a gola, olímpica? A calça, Capri? Só sei que a ancestral seda, num processo tardio, em breve sairá de seu casulo reverso. (Antes mesmo de eu tentar ler “O homem que sabia javanês”, aquele, do Lima Barreto.)
Corte é rompimento, morte. Costura, união. Corte e costura, de tão antagônicos, são complementares. Um não vive sem o outro, eles se precisam para que o feitio da vida se dê.

Por isso vou estudá-los. Para, além de ser autora da minha própria moda, aprender a viver com os dois. E também para mostrar que não perdi o fio da trama, tampouco abri mão dos sonhos já alinhavados. Será meu presente de Dia das Mães em longo prazo. Entregue à Dona Angelina com beijo e abraço apertado, embrulhado em papel-saudade.
Silmara Franco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A LENDA DO PARDAL (FRONTEIRA)

DIZEM QUE O PARDAL NÃO É DAQUI,QUE FOI ASSIS BRASIL QUEM TEVE A PÉSSIMA IDÉIA DE TRAZER ESTE BICHO EXCOMUNGADO DAS EUROPAS.NÃO PRESTA PARA NADA,INCOMODA UMA BARBARIDADE E AINDA CORRE COM O TICO-TICO E O CANARINHO-DA-TERRA DE TUDO QUANTO É CANTO.
É UM BICHO ANTIPÁTICO,QUE NÃO CAMINHA:PARA ANDAR,TEM QUE DAR UNS PULINHOS,COM OS DOIS PÉS JUNTOS,COMO SE ESTIVESSE MANEADO.
E ESTÁ MESMO.FOI CASTIGO DE DEUS.
QUANDO NOSSO SENHOR ESTAVA FAZENDO OS BICHOS PARA SOLTAR NA TERRA,PERGUNTAVA O QUE CADA UM IA FAZER.E DISSE A POMBA:
- EU VOU SER MANSA E TRANQUILA,O SÍMBOLO DA PAZ.
- EU VOU CANTAR PARA A ALEGRIA DOS GAÚCHOS. - DISSE A CALHANDRA.E ASSIM POR DIANTE.
QUANDO CHEGOU A VEZ DO PARDAL,QUE ERA RABUGENTO E ESTAVA BRABO POR SER DOS ÚLTIMOS NA FILA,ELE SE SAIU COM QUATRO PEDRAS NA MÃO:
- EU?POIS EU VOU DAR COICE NO MUNDO E ACABAR COM TODA ESTA PORCARIA,QUE ESTÁ TUDO MUITO MAL FEITO!
- AH,VAI? - DISSE NOSSO SENHOR.POIS ENTÃO EU VOU TE MANEAR,PRA QUE TU NÃO DÊS UM COICE NO MUNDO QUE EU FIZ...
É POR ISSO QUE O…

A LENDA DE JAGUARÃO

NOS TEMPOS ANTIGOS,ANTES DA CHEGADA DO HOMEM BRANCO ÀS TERRAS DO SUL,VIVIAM OS CHARRUAS E ÀS VEZES OS MINUANOS JUNTO A UM RIO PAMPA.OS ÍNDIOS PESCAVAM NO RIO,CORTAVAM AS SUAS ÁGUAS COM CANOAS E TIRAVAM DE SEUS REMANSOS A ÁGUA PARA O DIA-DIA DA TRIBO.
UM DIA,PORÉM,AQUERENCIOU-SE NUMA DAS "PANELAS" DO RIO,JUNTO ÀS BARRANCAS,UM ESTRANHO SER,UM MONSTRO QUE PARECIA UM PEIXE-CACHORRO,COM GARRAS DE TIGRE,PRETO E VISGUENTO.E COISA ESTRANHA:SÓ COMIA OS BOFES DOS VIVENTES FOSSE BICHO OU GENTE MESMO.
E COMO FAZIA? SIMPLESMENTE ELE CAVOUCAVA POR BAIXO DÁGUA A BARRANCA DO RIO,FAZENDO UMA GRANDE CAVERNA E ALI SE ANINHAVA, A ESPERA.SE UMA PESSOA OU BICHO GRANDE CHEGASSE EM CIMA DA BARRANCA,ESTA DESABAVA E O MONSTRO ARRASTAVA PARA O FUNDO DAS ÁGUAS QUEM SE AFOGAVA,COMENDO-LHE OS BOFES,SIMPLESMENTE.
ACONTECE QUE OS CADÁVERES COMEÇARAM A APARECER RIO ABAIXO,SEM OS PULMÕES E OS ÍNDIOS COMEÇARAM A DAR CAÇA AO MONSTRO,SEM GRANDES RESULTADOS,ALIÁS.EM GUARANI,QUE ERA A LÍNGUA MAIS FALADA …

Chapéu Violeta - Por Erma Bombeck

Aos 3 anos ela olha pra si mesma, e vê uma rainha. Aos 8 anos ela olha pra si mesma, e vê Cinderela. Aos 15 anos ela olha pra si mesma, vê uma bruxa e diz: - "Mãe, eu não posso ir pra escola desse jeito!" Aos 20 anos ela olha pra si mesma, e se vê: "muito gorda/muito magra, muito alta/muito baixa, com cabelo muito liso/muito encaracolado", mas decide que vai sair assim mesmo... Aos 25 anos ela olha pra si mesma e se vê: "muito gorda/muito magra, muito alta/muito baixa, com cabelo muito liso/muito encaracolado", mas decide que agora não há tempo para consertar essas coisas. Então, sai assim mesmo... Aos 30 anos ela olha pra si mesma e se vê:"muito gorda/muito magra, muito alta/muito baixa, com cabelo muito liso/muito encaracolado", mas diz: "sou uma boa pessoa" e sai mesmo assim... Aos 35 anos ela olha pra si mesma e se vê como é. Sai e vai para onde ela bem entender... Aos 40 anos ela olha pra si mesma e se lembra de todas pessoas que não pod…