Pular para o conteúdo principal

'CUANDO SEA GRANDE'

No quiero quejarme de oreja en oreja 
Fijarme si quien me aventaja se aleja 
Negar el reflejo que dejo en mi espejo 
Ni alojar el rencor entre ceja y ceja 

No quiero guardar tantos secretos 

Ni estar enfrentado en un cuadro grotesco 
Como los Montesco y los Capuleto 
No quiero a tu edad quedar obsoleto 

Ni perder el vigor ni decir sin rigor 

Que todo tiempo pasado siempre fue mejor 
Ni llegar a mi casa ofuscado y molesto 
No quiero estar cansado de llevarme puesto 

Y aunque esta verdad pueda doler, 

tengo que decirlo, sin complacer 
Pero si ofendo, pido perdón 
Cuando sea grande, quiero ser como vos 

No quiero cometer tus mismos errores 

Ni creer que todos son estafadores 
No quiero manejar tus mismos valores 
Ni que cada día sea igual a los anteriores 

No quiero no poder controlar mis enojos 

Ni cargar esa tristeza en los ojos 
Mojados y rojos, ajados y flojos 
No quiero resignarme a ser mis despojos 

Ni echar con vehemencia la culpa a los demás 

de lo que es mi incumbencia y responsabilidad 
Ni que me de por probar en alguna idiotez 
lo que no pude hacer cuando tuve 23 

Y aunque esta verdad pueda doler, 

tengo que decirlo, sin complacer 
Pero si ofendo, pido perdón 
Cuando sea grande, no quiero ser como vos 

No quiero que ya nada me provoque placer 

Ni que cuando el dolor me toque odie el ayer 
Ni mirar fotos viejas y ponerme a llorar 
O que nombren a alguien y empezar a temblar. 

No quiero llevar esa vida mal trecha 

con sospechas de dolo y la ilusión desecha 
Ni lanzar pestes creyéndome Apolo 
Ni que me molesten, una fecha estar solo. 

Y aunque esto se preste a mal interpretar 

No quiero que crean que es solo por criticar. 
Y espero que tan solo sea una declaración 
Porque ni yo se si quiero que quieras ser como yo 

Y aunque esta verdad pueda doler, 

tengo que decirlo, sin complacer. 
Pero si ofendo, pido perdón. 
Cuando sea grande, no quiero ser como vos 
Y aunque esta verdad pueda doler, 
tengo que decirlo, sin complacer. 
Pero si ofendo, pido perdón. 
Cuando sea grande…


El Cuarteto de Nos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A LENDA DO PARDAL (FRONTEIRA)

DIZEM QUE O PARDAL NÃO É DAQUI,QUE FOI ASSIS BRASIL QUEM TEVE A PÉSSIMA IDÉIA DE TRAZER ESTE BICHO EXCOMUNGADO DAS EUROPAS.NÃO PRESTA PARA NADA,INCOMODA UMA BARBARIDADE E AINDA CORRE COM O TICO-TICO E O CANARINHO-DA-TERRA DE TUDO QUANTO É CANTO.
É UM BICHO ANTIPÁTICO,QUE NÃO CAMINHA:PARA ANDAR,TEM QUE DAR UNS PULINHOS,COM OS DOIS PÉS JUNTOS,COMO SE ESTIVESSE MANEADO.
E ESTÁ MESMO.FOI CASTIGO DE DEUS.
QUANDO NOSSO SENHOR ESTAVA FAZENDO OS BICHOS PARA SOLTAR NA TERRA,PERGUNTAVA O QUE CADA UM IA FAZER.E DISSE A POMBA:
- EU VOU SER MANSA E TRANQUILA,O SÍMBOLO DA PAZ.
- EU VOU CANTAR PARA A ALEGRIA DOS GAÚCHOS. - DISSE A CALHANDRA.E ASSIM POR DIANTE.
QUANDO CHEGOU A VEZ DO PARDAL,QUE ERA RABUGENTO E ESTAVA BRABO POR SER DOS ÚLTIMOS NA FILA,ELE SE SAIU COM QUATRO PEDRAS NA MÃO:
- EU?POIS EU VOU DAR COICE NO MUNDO E ACABAR COM TODA ESTA PORCARIA,QUE ESTÁ TUDO MUITO MAL FEITO!
- AH,VAI? - DISSE NOSSO SENHOR.POIS ENTÃO EU VOU TE MANEAR,PRA QUE TU NÃO DÊS UM COICE NO MUNDO QUE EU FIZ...
É POR ISSO QUE O…

O REI E O SAPATEIRO

Era uma vez... quando foi
Eu bem ao certo não sei!
Porém sei que era uma vez
Um sapateiro e um rei.

Olha, Helena, o sapateiro
Era um pobre remendão,
Casado e com quatro filhos,
Que vivia quasi sem pão.

No recanto de uma escada
Noite e dia trabalhava,
E por allivio de máguas,
Esta cantiga cantava:

"Ribeiros correm aos rios,
Os rios correm ao mar;
São tudo leis deste mundo
Que ninguém póde atalhar:
Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar!"

O rei tinha montes d'ouro
E joias em profusão,
E tinha mais que ouro e joias,
Pois tinha um bom coração.

Em vendo um pobre, acudia-lhe
Sem que o soubesse ninguem,
Que assim quer Deus que se faça.
E assim o faz tua mãe.

Por muitas vezes saía
Sem criados de libré,
E sósinho e disfarçado
Corria a cidade a pé.

Na rua do sapateiro
Passa o rei e ouve cantar:
"Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar."

Isto uma vez e mais de uma
com voz que o pranto cortava,
E o rei condoeu-se d'alma
Do velho que assim cantava.

Chegado ao palacio ordena
Que lhe arr…

A LENDA DE JAGUARÃO

NOS TEMPOS ANTIGOS,ANTES DA CHEGADA DO HOMEM BRANCO ÀS TERRAS DO SUL,VIVIAM OS CHARRUAS E ÀS VEZES OS MINUANOS JUNTO A UM RIO PAMPA.OS ÍNDIOS PESCAVAM NO RIO,CORTAVAM AS SUAS ÁGUAS COM CANOAS E TIRAVAM DE SEUS REMANSOS A ÁGUA PARA O DIA-DIA DA TRIBO.
UM DIA,PORÉM,AQUERENCIOU-SE NUMA DAS "PANELAS" DO RIO,JUNTO ÀS BARRANCAS,UM ESTRANHO SER,UM MONSTRO QUE PARECIA UM PEIXE-CACHORRO,COM GARRAS DE TIGRE,PRETO E VISGUENTO.E COISA ESTRANHA:SÓ COMIA OS BOFES DOS VIVENTES FOSSE BICHO OU GENTE MESMO.
E COMO FAZIA? SIMPLESMENTE ELE CAVOUCAVA POR BAIXO DÁGUA A BARRANCA DO RIO,FAZENDO UMA GRANDE CAVERNA E ALI SE ANINHAVA, A ESPERA.SE UMA PESSOA OU BICHO GRANDE CHEGASSE EM CIMA DA BARRANCA,ESTA DESABAVA E O MONSTRO ARRASTAVA PARA O FUNDO DAS ÁGUAS QUEM SE AFOGAVA,COMENDO-LHE OS BOFES,SIMPLESMENTE.
ACONTECE QUE OS CADÁVERES COMEÇARAM A APARECER RIO ABAIXO,SEM OS PULMÕES E OS ÍNDIOS COMEÇARAM A DAR CAÇA AO MONSTRO,SEM GRANDES RESULTADOS,ALIÁS.EM GUARANI,QUE ERA A LÍNGUA MAIS FALADA …