Pular para o conteúdo principal

PAISAGEM DE LUAR



NA NITIDEZ DO AR FRIO, DE FINAS VIBRAÇÕES DE CRYSTAL, AS ESTRELLAS CREPITAM...
HA UM RENDILHAMENTO, UMA LAVORAGEM DE PEDRARIAS CLARAS, EM FIOS SUBTIS DE SCINTILLÇÕES PALPITANTES, NA ALVA ESTRADA ESMALTADA DA VIA-LACTEA.
UMA SERENIDADE DE MAIO ADORMECIDO ENTRE FROUXEIS DE VERDURA CAE DO VELLUDO DO FIRMAMENTO, TORNA A NOITE MAIS SOLITARIA E PROFUNDA.
O MAR, PONTILHADO DOS ASTROS, FAISCA, PHOSPHORESCE E RUTILA, AGITANDO O DORSO GLAUCO.
E, DE LEVE, DE MANSO, UM CLARÃO BRANCO, LANGUIDO, LIVIDO, VEM SUBINDO DOS MONTES, ESCORRENDO FLUIDO NAS FOLHAGENS, QUE PRATEIAM-SE LOGO, COMO SI FABULOSO ARTISTA INVISIVEL AS PRATEASSE E AS POLISSE.
A LUA CHEIA TRANSBORDA EM RIO DE NEVE NA PAISAGEM, E, NO MAR, HA POUCO APENAS FAGULHANTE DE IRIAÇÃO DAS ESTRELLAS, A LUA JORRA DO ALTO.
POR ELLE A FÓRA, PELO VASTO MAR ESPALHADO, PEQUENAS EMBARCAÇÕES SE DESTACAM AGORA, ALIGERAS, LÉPIDAS, Á PESCA DA NOITE, VELAS BRANCAS SERENAS, SOB A CONSTELLAÇÃO DOS ESPAÇOS.
A AGUA REPERCUTE, NA AMOROSA SOLIDÃO DO LUAR, A BARCAROLA SONÓRA DOS PESCADORES, QUE, DE ENTRE A GLACIAL AMPLIDÃO DA AGUA, MAIS FRESCA E SONÓRA, VIBRA.
UM ASPECTO DE NATUREZA VERDE, VIRGEM, QUE REPOUSA, ESTENDE-SE NOS LONGES, DESCE AOS PRADOS, SÓBE ÁS MONTANHAS E INFINITAMENTE ESPALHA-SE NAS MUDAS PRAIAS ALVEJANTES.
E, Á PROPORÇÃO QUE A LUA MAIS VAE SUBINDO O PÁRAMO, Á PROPORÇÃO QUE ELLA MAIS GALGA A ALTURA, MAIS AS PEQUENAS EMBARCAÇÕES DE PESCA AVANÇAM NAS VAGAS RESPLANDESCENTES, COM AS AZAS DAS VELAS ABERTAS Á SALITROSA EMANAÇÃO MARINHA.
COM O BRILHO FÚLGIDO, ACCÊSO, D'ESMERALDA FACETADA, UMA ESTRELLA PARECE PEREGRINAMENTE ACOMPANHAR DE PERTO A LUA, N'UM RHYTHMO HARMONIOSO...
PERFUMES SALUTARES, TONIFICANTES EFFLUVIOS EXHALAM-SE DA FRESCURA NOVA, IMMACULADA DOS CAMPOS, COMO D'UM VIÇOSO E CASTO FLORIR DE MAGNOLIAS, NA VOLUPIA DA NATUREZA ADORMECIDA N'UMA ALVURA DE LINHOS, D'ENTRE OPULENCIAS DE NOIVADOS.






OBRAS COMPLETAS DE CRUZ E SOUZA
COM INTRODUÇÇÃO E ANNOTAÇÕES DE NESTOR VICTOR
II PROSA - MISSAL - EVOCAÇÕES

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A LENDA DO PARDAL (FRONTEIRA)

DIZEM QUE O PARDAL NÃO É DAQUI,QUE FOI ASSIS BRASIL QUEM TEVE A PÉSSIMA IDÉIA DE TRAZER ESTE BICHO EXCOMUNGADO DAS EUROPAS.NÃO PRESTA PARA NADA,INCOMODA UMA BARBARIDADE E AINDA CORRE COM O TICO-TICO E O CANARINHO-DA-TERRA DE TUDO QUANTO É CANTO.
É UM BICHO ANTIPÁTICO,QUE NÃO CAMINHA:PARA ANDAR,TEM QUE DAR UNS PULINHOS,COM OS DOIS PÉS JUNTOS,COMO SE ESTIVESSE MANEADO.
E ESTÁ MESMO.FOI CASTIGO DE DEUS.
QUANDO NOSSO SENHOR ESTAVA FAZENDO OS BICHOS PARA SOLTAR NA TERRA,PERGUNTAVA O QUE CADA UM IA FAZER.E DISSE A POMBA:
- EU VOU SER MANSA E TRANQUILA,O SÍMBOLO DA PAZ.
- EU VOU CANTAR PARA A ALEGRIA DOS GAÚCHOS. - DISSE A CALHANDRA.E ASSIM POR DIANTE.
QUANDO CHEGOU A VEZ DO PARDAL,QUE ERA RABUGENTO E ESTAVA BRABO POR SER DOS ÚLTIMOS NA FILA,ELE SE SAIU COM QUATRO PEDRAS NA MÃO:
- EU?POIS EU VOU DAR COICE NO MUNDO E ACABAR COM TODA ESTA PORCARIA,QUE ESTÁ TUDO MUITO MAL FEITO!
- AH,VAI? - DISSE NOSSO SENHOR.POIS ENTÃO EU VOU TE MANEAR,PRA QUE TU NÃO DÊS UM COICE NO MUNDO QUE EU FIZ...
É POR ISSO QUE O…

O REI E O SAPATEIRO

Era uma vez... quando foi
Eu bem ao certo não sei!
Porém sei que era uma vez
Um sapateiro e um rei.

Olha, Helena, o sapateiro
Era um pobre remendão,
Casado e com quatro filhos,
Que vivia quasi sem pão.

No recanto de uma escada
Noite e dia trabalhava,
E por allivio de máguas,
Esta cantiga cantava:

"Ribeiros correm aos rios,
Os rios correm ao mar;
São tudo leis deste mundo
Que ninguém póde atalhar:
Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar!"

O rei tinha montes d'ouro
E joias em profusão,
E tinha mais que ouro e joias,
Pois tinha um bom coração.

Em vendo um pobre, acudia-lhe
Sem que o soubesse ninguem,
Que assim quer Deus que se faça.
E assim o faz tua mãe.

Por muitas vezes saía
Sem criados de libré,
E sósinho e disfarçado
Corria a cidade a pé.

Na rua do sapateiro
Passa o rei e ouve cantar:
"Quem nasce para ser pobre
Não lhe vale o trabalhar."

Isto uma vez e mais de uma
com voz que o pranto cortava,
E o rei condoeu-se d'alma
Do velho que assim cantava.

Chegado ao palacio ordena
Que lhe arr…

A LENDA DE JAGUARÃO

NOS TEMPOS ANTIGOS,ANTES DA CHEGADA DO HOMEM BRANCO ÀS TERRAS DO SUL,VIVIAM OS CHARRUAS E ÀS VEZES OS MINUANOS JUNTO A UM RIO PAMPA.OS ÍNDIOS PESCAVAM NO RIO,CORTAVAM AS SUAS ÁGUAS COM CANOAS E TIRAVAM DE SEUS REMANSOS A ÁGUA PARA O DIA-DIA DA TRIBO.
UM DIA,PORÉM,AQUERENCIOU-SE NUMA DAS "PANELAS" DO RIO,JUNTO ÀS BARRANCAS,UM ESTRANHO SER,UM MONSTRO QUE PARECIA UM PEIXE-CACHORRO,COM GARRAS DE TIGRE,PRETO E VISGUENTO.E COISA ESTRANHA:SÓ COMIA OS BOFES DOS VIVENTES FOSSE BICHO OU GENTE MESMO.
E COMO FAZIA? SIMPLESMENTE ELE CAVOUCAVA POR BAIXO DÁGUA A BARRANCA DO RIO,FAZENDO UMA GRANDE CAVERNA E ALI SE ANINHAVA, A ESPERA.SE UMA PESSOA OU BICHO GRANDE CHEGASSE EM CIMA DA BARRANCA,ESTA DESABAVA E O MONSTRO ARRASTAVA PARA O FUNDO DAS ÁGUAS QUEM SE AFOGAVA,COMENDO-LHE OS BOFES,SIMPLESMENTE.
ACONTECE QUE OS CADÁVERES COMEÇARAM A APARECER RIO ABAIXO,SEM OS PULMÕES E OS ÍNDIOS COMEÇARAM A DAR CAÇA AO MONSTRO,SEM GRANDES RESULTADOS,ALIÁS.EM GUARANI,QUE ERA A LÍNGUA MAIS FALADA …